[ Pdf Poemas de Álvaro de Campos ☆ unfinished PDF ] by Fernando Pessoa ò globalintertrade.co.uk

[ Pdf Poemas de Álvaro de Campos ☆ unfinished PDF ] by Fernando Pessoa ò Em l ngua portuguesa ningu m, que eu conhe a, chegou s profundezas que este homem conseguiu alcan ar e mais do que isso, transmitir, comunicar com tanta nfase, emo o e rigor.
The best poetry collection I have ever read Brilliant Stunning EmDe Mar O De , AosAnos De Idade, O Poeta Portugu S Fernando Pessoa Teve Um Insight E, Naquilo Que Ele Chamaria Mais Tarde De Dia Triunfal , Criou Seus Tr S Principais Heter Nimos, Alberto Caeiro, Ricardo Reis E Lvaro De Campos Deu Lhes, Al M Do Nome, Uma Biografia, Um Biotipo E, Sobretudo, Uma Obra E Um Estilo Po Tico Nicos Trata Se Do Nico Caso De Heteron Mia De Toda Hist Ria Da Literatura Universal Lvaro De Campos Era, Segundo Pessoa, O Mais Histericamente Hist Rico De Mim , Era Engenheiro, Usava Mon Culo, E O Poeta Escrevia Sob O Seu Nome Quando Sentia Um S Bito Impulso De Escrever N O Sei O Qu Campos O Heter Nimo Da Modernidade, Da Euforia, Da Irrever Ncia Total A Tudo E A Todos, Cultuador Da Liberdade, Sedento Por Experimentar Todas As Sensa Es A Um S Tempo E Profundamente Influenciado Por Walt Whitman De Sua Lavra S O Os C Lebres Versos De Opi Rio , Ode Trinfual , Lisbon Revisited E Tabacaria Este Ltimo Considerado Dos Mais Belos Poemas Da L Ngua Portuguesa Estou cansado, claroPorque, a certa altura, a gente tem que estar cansado De que estou cansado, n o sei De nada me serviria sabe loPois o cansa o fica na mesma,A ferida d i como d iE n o em fun o da causa que a produziu.
Sim, estou cansadoE um pouco sorridenteDe o cansa o ser s isto Uma vontade de sono no corpo,Um desejo de n o pensar na alma,E por cima de tudo uma transpar ncia l cidaDo entendimento retrospectivo E a lux ria nica de n o ter j esperan as Sou inteligente eis tudoTenho visto muito e entendido muito o que tenho vistoE h um certo prazer at no cansa o que isto nos d ,Que afinal a cabe a sempre serve para qualquer coisa lvaro de Campos em mim qualquer coisa Alvaro de Campos Bem sei que tudo naturalBem sei que tudo naturalMas ainda tenho cora o Boa noite e merda Estala, meu cora o Merda para a humanidade inteira Na casa da m e do filho que foi atropelado,Tudo ri, tudo brinca.
E h um grande ru do de buzinas sem conta a lembrarReceberam a compensa o Beb igual a X,Gozam o X neste momento,Comem e bebem o beb morto,Bravo S o gente Bravo S o a humanidade Bravo s o todos os pais e todas as m esQue t m filhos atropel veis Como tudo esquece quando h dinheiro.
Beb igual a X.
Com isso se forrou a papel uma casa.
Com isso se pagou a ltima presta o da mob lia.
Coitadito do Beb.
Mas, se n o tivesse sido morto por atropelamento, que seria das contas Sim, era amado.
Sim era queridoMas morreu.
Paci ncia, morreu Que pena, morreu Mas deixou o com que pagar contasE isso qualquer coisa claro que foi uma desgra a Mas agora pagam se as contas claro que aquele pobre corpinhoFicou triturado Mas agora, ao menos, n o se deve na mercearia pena sim, mas h sempre um al vio O beb morreu, mas o que existe s o dez contos.
Isso, dez contos.
Pode fazer se muito pobre beb com dez contos.
Pagar muitas d vidas beb zinho querido Com dez contos.
P r muita coisa em ordem Lindo beb que morreste com dez contos.
Bem se sabe que triste Dez contos Uma criancinha nossa atropelada Dez contos Mas a vis o da casa remodelada Dez contos De um lar reconstitu do Dez contos Faz esquecer muitas coisas como o choramos Dez contos Parece que foi por Deus que os recebeu Esses dez contos Pobre beb trucidado Dez contos.
I m nothing.
I ll never be anything.
I can t wish I were anything.
Even so, I have all the dreams of the world in me.
Goddamnit, Fernando.
lvaro de Campos ist Weltschmerz forte und auch ein bisschen Negation seiner selbst, berh hung seiner selbst, ein bisschen Bipolarit t, ein bisschen Schlangengrube und auch kleines bisschen Schizophrenit t aber ich bin kein Literaturexperte Ich habe es so empfunden bis hierher und ich habe es sehr gemocht Meine Kommentare lauthals ausgesprochen waren meist Ach herrje Oh mann H h oder Oh wie sch n oder gar Mannomann ist das scharf Dieses Buch darf man nicht als Betthupferl lesen Das ist was f r wache Leser, die gern auch mal etwas l nger am Metaphysischen knabbern m gen.
Abbandonato a pagina 198 Scavallare la met anche pi di quello che potevo fare con questo libro.
Adoro Ricardo Reis, ho un rapporto di a odio con Bernardo Soares, ma evidentemente lvaro de Campos non fa proprio per me.
In pi , questo libro mi stato regalato dal mio ex, ovviamente quando stavamo insieme, e ogni volta che lo apro mi viene la nausea Una ragione in pi per non forzarmi a continuare la lettura di un libro che in ogni caso non mi sta piacendo per niente.


Our life is a journeyIn the night and in the windWe find our wayThrough space and timeNothing ever stops usAnd from evening to morningEvery night is a partyAnd not a vain dream Ode Mar tima Passa, lento vapor, passa e n o fiques Passa de mim, passa da minha vista, Vai te de dentro do meu cora o, Perde te no Longe, no Longe, bruma de Deus, Perde te, segue o teu destino e deixa me Eu quem sou para que chore e interrogue Eu quem sou para que te fale e te ame Eu quem sou para que me perturbe ver te Larga do cais, cresce o sol, ergue se ouro, Luzem os telhados dos edif cios do cais, Todo o lado de c da cidade brilha Parte, deixa me, torna te Primeiro o navio a meio do rio, destacado e n tido, Depois o navio a caminho da barra, pequeno e preto Depois ponto vago no horizonte minha ang stia , Ponto cada vez mais vago no horizonte Nada depois, e s eu e a minha tristeza, E a grande cidade agora cheia de sol E a hora real e nua como um cais j sem navios, E o giro lento do guindaste que, como um compasso que gira, Tra a um semic rculo de n o sei que emo o No sil ncio comovido da minh alma lvaro de Campos TabacariaN o sou nada Nunca serei nada N o posso querer ser nada parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo Come chocolates, pequena Come chocolates Olha que n o h mais metaf sica no mundo sen o chocolates Olha que as religi es todas n o ensinam mais que a confeitaria Come, pequena suja, come Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que de folhas de estanho, Deito tudo para o ch o, como tenho deitado a vida lvaro de Campos